Siga-nos no:
Associação Humanitária
Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo
/
ÚLTIMAS:
    desc imagemdesc imagemdesc imagemdesc imagemdesc imagemdesc imagemdesc imagem
    Veronese


    O maior desastre que se deu na nos­sa costa, onde teve papel importante o serviço de porta-cabos. Trata-se do encalhe do Veronese, car­gueiro inglês que trazia a bordo cerca de 219 tripu­lantes e passageiros.

    O caso do Veronese constitui o maior salvamento por cabos de vaivém na história trágico-marítima de Portugal e foi um dos maiores salvamentos da Euro­pa, tendo sido saudado por todas as instituições de socorros a náufragos da época.

    Encalhou o Veronese a meio da noite de 16 de Ja­neiro de 1913, debaixo de muito mau tempo, nos ro­chedos que bordam a praia de Nossa Senhora da Boa Nova, a norte de Leixões, e que se estendem pelo mar dentro até 350 metros da costa. O mar, le­vado pela fúria do vento, rebentava por toda a parte, desfazendo-se num lençol de espuma que chegava à praia por cima de vagas alterosas. A água invadira o navio, as câmaras e os porões, obrigando a refugiar­-se na tolda os passageiros estremunhados, que, cá fora, encontram de novo o mar varrendo o navio de bordo a bordo.
    Entre a terra e o Veronese estendiam-se os roche­dos, cujas pontas negras e aguçadas emergiam aqui e além. O navio, bem encaixado no meio das rochas, não podia fazer uso das suas embarcações no meio do mar bravio.

    Vendo a importância do sinistro foi chamado todo o material das estações de bombeiros da Póvoa de Varzim, de Vila do Conde, da Foz, de Matosinhos e Leça da Palmeira e do Porto. Acorreram também ao local do sinistro a policia, alguma tropa e muito povo que enchia a praia.

    Os Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo vie­ram de comboio, transportando todo o material dis­ponível de lança-cabos.

    Foram lançados dezanove foguetões antes que o primeiro conseguisse atingir o navio. O vento, a chu­va e as ondas que galgavam os tombadilhos do navio faziam desviar os mensageiros da linha, que deveria estabelecer o primeiro contacto. Muitas vezes, eram as próprias rochas que cortavam o fio mensageiro.
    Finalmente, houve um tiro de sorte (1), por sinal enviado pelos Bombeiros de Viana do Castelo, que eram os que tinham vindo de mais longe. O cabo mensageiro foi dos substituído pelo cabo de vaivém, mais forte e que vai suportar a bóia-calção para o salvamento. Por ela vêm para terra, numa manobra que vai durar 52 horas consecutivas, 98 náufragos. Nesta faina de trazer a bóia-cal­ção a terra e colocá-la novamente a bordo foi necessá­rio alar à mão cerca de 70 quilómetros de cabo.

      O primeiro náufrago a chegar a terra foi uma jo­vem de quinze anos, Dorothy Alcoy, e, dizia-se a bor­do, que todos abriram alas para que se salvasse an­tes de tudo a juventude e a beleza.

    A seguir chegou a terra uma mulher desmaiada, mas com o filho tão apertado ao colo que o mar não lho pôde levar.

    É que, em 350 metros de cabo, a catenária era enorme e durante o percurso do navio para a praia os náufragos mergulhavam em parte no mar.

    Segundo as palavras de Hypácio de Brion, "nunca em parte alguma do mundo se fez trabalho seme­lhante", dando origem a que se recebessem elogios de França, Inglaterra, Holanda e Espanha.

    Com o mar mais calmo lançaram-se ao mar os salva-vidas Cego de Maio e Rio Douro, que não se puderam aproximar muito do navio, mas que por meio de cabo conseguiram salvar 102 náufragos.
    Salvaram-se duzentos passageiros e tripulantes e calcula-se que pereceram dezanove.

    Nesta tragédia marítima de salvamento por porta--cabos, o mar embravecido, os navios e as rochas ponteagudas constituíram o cenário; os protagonis­tas eram os náufragos transidos de medo a bordo, mas os verdadeiros heróis foram os bombeiros anóni­mos de várias corporações que, dia e noite, durante 52 horas seguidas, conforme já referido, consegui­ram salvar quase cem almas.

    Pouco depois da tragédia do Veronese, o bom­beiro José de Brito, primeiro patrão do Estado--Maior dos Bombeiros Voluntários do Porto, resol­veu estudar a construção de um carro porta-cabos em que tudo estivesse arrumado de tal maneira que viesse às mãos na altura própria e sem confu­sões, no desenrolar de um salvamento marítimo com aquele material.







    (1) Audaces fortuna juvat - "A sorte protege os audazes"
    © 2019 AHBVVC - todos os direitos reservados.

    Serviços administrativos
    258 800 844


    Central atendimento   emergência e serviços
    258 800 840



    Posto enfermagem